DÊ UMA CHANCE PARA VOCÊ

O QUE É O ESPIRITISMO?

O Espiritismo é a doutrina revelada pelos Espíritos Superiores, através de médiuns, e organizada (codificada), no século XIX, por um educador francês, conhecido por Allan Kardec (pseudônimo de Hippolyte Léon Denizard Rivail). O Espiritismo é, ao mesmo tempo filosofia, ciência e religião.

Filosofia, porque dá uma interpretação da vida, respondendo questões como “de onde eu vim”, “o que faço no mundo”, “para onde irei depois da morte”. Toda doutrina que dá uma interpretação da vida, uma concepção própria do mundo, é uma filosofia.

Ciência, porque estuda, à luz da razão e dentro de critérios científicos, os fenômenos mediúnicos, isto é, fenômenos provocados pelos espíritos e que não passam de fatos naturais. Todos os fenômenos, mesmo os mais estranhos, têm explicação científica. Não existe o sobrenatural no Espiritismo.

Religião, porque tem por objetivo a transformação moral do homem, revivendo os ensinamentos de Jesus Cristo, na sua verdadeira expressão de simplicidade, pureza e amor. Uma religião simples sem sacerdotes, cerimoniais e nem sacramentos de espécie alguma. Sem rituais, culto a imagens, velas, vestes especiais, nem manifestações exteriores.

 

OBRAS BÁSICAS DA DOUTRINA ESPÍRITA

 

O LIVRO DOS ESPÍRITOS. O livro básico da Doutrina Espírita. Contém os princípios do Espiritismo sobre a imortalidade da alma, a natureza dos espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida futura e o porvir da humanidade.

O LIVRO DOS MÉDIUNS. Reúne as explicações sobre todos os gêneros de manifestações mediúnicas, os meios de comunicação e relação com os espíritos, a educação da mediunidade e as dificuldades que eventualmente possam surgir na sua prática.

O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO. É o livro dedicado à explicação das máximas de Jesus, de acordo com o Espiritismo e sua aplicação às diversas situações da vida.

O CÉU E O INFERNO, ou “A Justiça Divina Segundo o Espiritismo”. Oferece o exame comparado das doutrinas sobre a passagem da vida corporal à vida espiritual. Coloca ao alcance de todos o conhecimento do mecanismo pelo qual se processa a Justiça Divina.

A GÊNESE. Destacam-se os temas: Existência de Deus, origem do bem e do mal, explicações sobre as leis naturais, a criação e a vida no Universo, a formação da Terra, a formação primária dos seres vivos, o homem corpóreo e a união do princípio espiritual à matéria.

 

OS PRINCÍPIOS BÁSICOS DA DOUTRINA ESPÍRITA

  1. DEUS

“Inteligência Suprema, Causa Primária de todas as coisas.” (LE, questão 01.) “Eterno, imutável, único, onipotente, soberanamente justo e bom.” (LE, questão 13.)

 

  1. JESUS

“Guia e modelo mais perfeito para o homem.” (LE 625)

 

  1. ESPÍRITO

Ser inteligente da Criação” (LE-76)”

Princípio inteligente do Universo. Criado simples e ignorante.” (LE-115)

 

  1. PERISPÍRITO

“Substância semimaterial que serve de primeiro envoltório ao Espírito e liga a alma ao corpo.” (LE-135, item 3o.)- “Tem a forma que o Espírito queira.” (LE- 95)

 

  1. EVOLUÇÃO “São os próprios Espíritos que se melhoram e, melhorando-se, passam de uma ordem inferior para outra mais elevada.” (LE- 114)

 

  1. LIVRE-ARBÍTRIO

“O homem tem a liberdade de pensar e de agir. Sem o livre-arbítrio, ele seria máquina.” (LE-843)

 

  1. CAUSA E EFEITO

“Deus tem suas leis a regerem todas as vossas ações. Se as violais, vossa é a culpa. A punição é o resultado da infração da lei.” (LE-964)

 

  1. REENCARNAÇÃO

“Consiste em admitir para o Espírito muitas existências sucessivas” (LE-171). Para expiação e melhoramento progressivo da humanidade. Sem isto, onde a justiça?” (LE-167)

 

  1. PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

“São habitados todos os globos que se movem no espaço e o homem terreno está longe de ser, como supõe, o primeiro em inteligência, em bondade e em perfeição.” (LE -55)

 

  1. IMORTALIDADE DA ALMA

“A existência dos Espíritos não tem fim.” “É tudo o que podemos, por agora, dizer.” (LE-83)

 

  1. VIDA FUTURA

“O sentimento de uma existência melhor reside no foro íntimo de todos os homens.” “A vida futura implica a conservação da nossa individualidade, após a morte.”(LE-959)

 

  1. PLANO ESPIRITUAL “No instante da morte, a alma volta a ser Espírito, isto é, volve ao mundo dos Espíritos, donde se apartara momentaneamente.” (LE 149).”Os espíritos estão por toda parte. Nem todos, porém, vão a toda parte, por isso que há regiões interditas aos menos adiantados.”(LE-87)

 

  1. MEDIUNIDADE“Faculdade inerente ao homem. Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium.” (LM-item 159 – cap XIV)

 

  1. INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSA VIDA

“Influem muito mais do que imaginais. A tal ponto que de ordinário são eles que vos dirigem.”(LE-459)
“Tendes muito deles de contínuo a vosso lado, observando-vos e sobre vós atuando, sem o perceberdes.” (LE-87)

 

  1. AÇÃO DOS ESPÍRITOS NA NATUREZA

“Deus não exerce ação direta sobre a matéria.” (LE- 536-b). “Os espíritos são uma das potências da natureza e os instrumentos de que Deus se serve para execução dos seus desígnios providenciais.” (LE-87)

 

DOS MÉDIUNS (O Livro dos Médiuns, Capítulo XIV)

 

  1. 159. Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso mesmo, raras são as pessoas que dela não possuam alguns rudimentos. Pode, pois, dizer-se que todos são, mais ou menos, médiuns. Todavia, usualmente, assim só se qualificam aqueles em quem a faculdade mediúnica se mostra bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certa intensidade, o que então depende de uma organização mais ou menos sensitiva. É de notar-se, além disso, que essa faculdade não se revela, da mesma maneira, em todos. Geralmente, os médiuns têm uma aptidão especial para os fenômenos desta, ou daquela ordem, donde resulta que formam tantas variedades, quantas são as espécies de manifestações. As principais são: a dos médiuns de efeitos físicos; a dos médiuns sensitivos, ou impressionáveis; a dos audientes; a dos videntes; a dos sonambúlicos; a dos curadores; a dos pneumatógrafos; a dos escreventes, ou psicógrafos.

 

DOS MÉDIUNS ESCREVENTES OU PSICÓGRAFOS

 

  1. 178. De todos os meios de comunicação, a escrita manual é o mais simples, mais cômodo e, sobretudo, mais completo. Para ele devem tender todos os esforços, porquanto permite se estabeleçam, com os Espíritos, relações tão continuadas e regulares, como as que existem entre nós. Com tanto mais afinco deve ser empregado, quanto é por ele que os Espíritos revelam melhor sua natureza e o grau do seu aperfeiçoamento, ou da sua inferioridade. Pela facilidade que encontram em exprimir-se por esse meio, eles nos revelam seus mais íntimos pensamentos e nos facultam julgá-los e apreciar-lhes o valor. Para o médium, a faculdade de escrever é, além disso, a mais suscetível de desenvolver-se pelo exercício.

 

 

DAS CARTAS CONSOLADORAS

 

Nosso querido Chico Xavier, maior médium de todos os tempos, dedicou a parte final de sua missão na mediunidade à psicografia de cartas, ditadas por espíritos desencarnados a parentes ainda no plano físico, principalmente mães e pais, em vias de sucumbirem ao peso da prova e à dor da separação dos entes amados.

A prova irrefutável da continuidade da vida após o túmulo, possibilita aos que ficam, retomarem suas vidas; não esquecendo nem tampouco deixando de sentir a saudade da ausência física do ser amado, mas guardando a certeza inamovível, que jamais deixaremos de existir e de sermos nós mesmos, em qualquer plano da existência.

Todos os que se encontram nessa situação de grande dor anseiam por notícias dos que já partiram; entretanto, precisamos meditar sobre algumas variáveis, que são preponderantes nessa questão: a possibilidade de o espírito desencarnado se comunicar, em vista de sua condição emocional e equilíbrio; a análise da premência ou não de os familiares encarnados, devido ao estado às vezes de profundo desequilíbrio psíquico, receberem as tão aguardadas notícias.

Não são os médiuns que fazem esse diagnóstico, escolhendo quem trará a mensagem, mas os Benfeitores espirituais, que têm nas mãos todas essas circunstâncias e podem avaliar as condições do espírito e dos encarnados envolvidos.

Sendo assim, como dizia nosso amado Chico Xavier: “O telefone toca somente de lá para cá!”, isto é, a mensagem provem sempre do plano espiritual.

Temos visto ao longo dos anos, que, mesmo não tendo recebido a mensagem de seus entes amados, as pessoas que presenciam esse fenômeno de caridade evangélica, haja vista as provas irrefutáveis da continuidade da vida após a morte, mudam profundamente seus sentimentos, transmudando o desespero em saudade, mas uma saudade acalentada pela certeza inamovível de que os corações que se amam se encontrarão de novo um dia; e que a felicidade é uma condição pétrea da Lei de nosso Pai. Não temos opção, como espíritos imortais que somos: todos, um dia, seremos felizes.

 

* LE – O Livro dos Espíritos

LM – O Livro dos Médiuns

 

Fonte:

http://estudoespiritismokardec.blogspot.com.br/2011/05/os-15-principios-basicos-do-espiritismo.html

http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2014/05/o-que-e-o-espiritismo.pdf